Terça-feira, 28 de Março de 2017

Simão Sabrosa entrevista Andrés Iniesta

OriginalSize$2017_03_27_23_08_50_1243219.jpg

© Sport Tv +

 

Iniesta acredita que a equipa das quinas pode fazer um brilharete no Campeonato do Mundo. "Vai ser muito difícil [para Portugal e Espanha], é certo! Portugal acaba de vencer o Europeu e claro que pode ganhar o próximo Mundial, por que não? Tem uma grandíssima equipa! Espanha vem de algumas deceções, como a do Mundial do Brasil e a da Eurocopa de França, mas voltará a ter a ilusão de competir e conseguir mais coisas positivas. Continua a ter jogadores muito bons, mas não será fácil!", explica o médio do Barcelona na entrevista a Simão Sabrosa.

O futebolista português é sinónimo de dificuldades para Iniesta. "Não gosto de enfrentá-los, sobretudo ao serviço das seleções. São sempre jogos muito difíceis! Apresentam muitíssima qualidade, tenho um grande respeito por eles", afirma Andrés, enumerando alguns dos ossos duros de roer: "Se há algum que não goste particularmente de defrontar devido à dificuldade a isso inerente? Normalmente, alguns dos que encontrava no centro do terreno, o Miguel, o Moutinho. Sempre tiveram muita qualidade. Não sei se Rui Costa atuou naquela eliminatória do Barcelona com o Benfica em 2005/06 [defrontou-o duas vezes quando o português estava no Milan]. Não? Enfrentei-te a ti, a Figo acho que não [jogou contra o luso quando este estava no Real]. É sempre muito difícil! E Cristiano? A Cristiano enfrentei muitíssimas vezes, mais no Real do que na seleção. Está há muito tempo em Espanha e cruzámo-nos bastantes vezes em várias provas. É sempre importante jogar contra os grandes jogadores. Quando os superas é uma alegria!"

 

Influência de Guardiola

Pep tem um grande papel na evolução de Iniesta, mas este prefere repartir... o bem pelas aldeias. "Se é o treinador mais importante que tive? Não gosto de utilizar a palavra ‘importante’, pois dou muito valor a todos os treinadores que tive. Por que tem ele de ser mais importante do que Van Gaal, que fez com que me estreasse? Ou do que Rijkaard ou Luis Enrique? Essa não é a palavra! Posso é dizer que aprendi e cresci como nunca na época em que lá estavam Pep e Tito. Isso deve-se à confiança total que Guardiola tinha em mim e eu nele! Idolatrava-o como jogador, a ele e a Laudrup, sendo uma grande motivação tê-lo como treinador. Talvez não tivesse essa total cumplicidade nas etapas anteriores, ou seja, com Van Gaal e Rijkaard. Também a tenho agora com Luis Enrique", frisa o espanhol, querendo acreditar que a premonição de Pep [o técnico do Man. City defende que Iniesta nasceu para jogar sempre no Barça] se irá concretizar: "Hoje em dia não me passa outra coisa pela cabeça. Sempre desejei estar aqui, espero que seja assim."

A conversa toca variados temas. O do sacrifício feito pelo pai de Iniesta, José Antonio, para lhe comprar as melhores botas que havia no mercado, por exemplo. "Tenho-as guardadas! Ele poupou dinheiro [durante três meses] para me ver com elas!", diz Iniesta, já não se lembrando por que atua com o nº 8 nas costas. Ou o da complicada decisão de trocar o querido Albacete pelo Barcelona. "Foi talvez a decisão mais difícil que tomei até hoje! Havia a parte sentimental e humana que me fazia recear dar o passo. Como o comboio só passa uma vez, tinha de subir para a carruagem. A decisão foi 70 por cento do meu pai e 30 por cento minha. Uma vez chegado a La Masia, o meu pai ter-me-ia levado de volta para casa nesse mesmo dia, se não fosse a minha mãe. Ele não conseguiu suportar a ‘crueldade’ de ver o filho ficar sozinho tão longe de casa. Portanto, a decisão foi 50 por cento de cada um dos meus pais", vinca Iniesta, acrescentando: "Estreei-me na equipa principal em Bruxelas, a contar para a Champions. Já estávamos apurados e Van Gaal deu-me uma oportunidade. Subi ao plantel principal pela primeira vez tinha 16 anos. Chegava o mês de junho e era como um exame na escola ou universidade. Esperava pelas notas para ver se tinha passado..."

A choradeira no final das férias de verão também faz parte da vida de Iniesta, um homem que não se considera melhor nem pior do que qualquer outro. "Na véspera de voltar a Barcelona, chorava muito. Se já custava regressar após dois dias de folga, imagina depois de um mês! Mas queria triunfar no Barça, custasse o que custasse!", diz o médio, desmistificando a história de ter sido adepto do Real: "Era do Albacete e do Barça! Houve um ano, tinha eu 10 ou 11, que o Albacete foi ao campo do Barça e ‘levou 7’. Então pensei! ‘O Barça não pode dar sete à minha equipa! Já não sou do Barça!’ Durou pouco essa decisão..."

 

De Paris à Bola de Ouro

Marcada na memória do médio está a frustração sentida por não ter sido titular na final da Champions 2005/06, em Paris [entrou na 2ª parte, a tempo de ajudar a equipa a operar a reviravolta e derrotar o Arsenal, por 2-1]. "Foi duro ficar fora do onze. Entrei após o intervalo e felizmente vencemos!", assinala Iniesta, desvalorizando o facto de nunca ter conquistado a Bola de Ouro [Simão ofereceu-lhe uma em nome da Sport TV]: "Nunca encarei isso como uma derrota!"

Afinal quem é Andrés? Um atleta que, garante, jamais deixará de aprender coisas novas no relvado. "A bola tratou-me sempre muito bem e eu tentei tratá-la sempre muito bem!" Ora, nem mais...



André Gomes está no clube certo

André Gomes tem uma profunda admiração por Iniesta e este considera que o português reúne condições para se impor no Barcelona. "Tem qualidades muitíssimo boas para continuar a crescer e ser um jogador importante num clube importante. É necessário criar o cenário e o clima perfeitos para que os jovens que vêm de fora se sintam bem e consigam evoluir. É isso que tentamos fazer no Barcelona! Penso que André está no lugar ideal para continuar a crescer", refere o espanhol, explicando a forte relação de amizade com Valdés: "Passámos quase toda a carreira juntos e sempre tivemos um vínculo forte desde o primeiro dia. Vivemos coisas boas e menos boas. Quem sabe se não foi por sermos diferentes que nos aproximámos? A verdade é que até temos semelhanças na forma de pensar ..."



Benfica apadrinha a estreia no Barça

O Benfica fica para sempre na memória de Iniesta por ter sido o primeiro adversário que defrontou com a camisola do Barcelona. Estávamos em 1996 e ele tinha 12 anos! "Recordo-me bem desse torneio, pois foi o primeiro. Decorreu em Madrid no mês de dezembro. Era um torneio internacional e a primeira partida foi contra o Benfica. Ganhámos 2-0 e fiz os dois golos", conta Iniesta, que se reencontraria com as águias em 2006, já como sénior, na Luz, a contar para os quartos-de-final da Liga dos Campeões: "Foi incrível! Joguei como pivot. Empatámos a zero! É das recordações mais bonitas que tenho..."


Pitadas de Messi, Neymar e Falcão

Simão Sabrosa convida Iniesta a construir uma espécie de superjogador e o internacional espanhol, de 32 anos, acaba por elaborar um futebolista composto essencialmente por atributos de companheiros com quem atuou no Barcelona. Perfeitamente normal! O pé esquerdo seria o de Messi, enquanto a Neymar iria ‘roubar’ o pé direito. A capacidade de liderança (de capitanear uma equipa) iria buscá-la a Puyol, o qual também emprestaria a sua raça à equipa. Xavi doaria a visão de jogo, enquanto a arte de bem jogar de cabeça seria ‘sacada’ a Falcão. Que espantoso seria ver semelhante jogador em campo!



Negócio do vinho corre sobre rodas

Natural de Fuentealbilla, pequeno povoado na província de Albacete, Iniesta dedica-se também à produção de vinho. "É uma tradição familiar, vem do meu pai e dos meus avós. A maioria das pessoas da minha terra tem vinha. Produzimos vários vinhos, dois deles com o nome dos meus filhos, Paulo Andre (tinto) e Valeria (branco). Temos várias lojas e exportamos 65 por cento do que produzimos para a China, o Japão e a Europa", conta o médio.

 

Fonte: Liga Running

publicado por Sara Branco às 18:38
link do post | comentar | favorito